Coaching… O que é? O que não é?

Minha inspiração para escrever o post de hoje nasceu das conversas que eu tenho nas rodas de Happy Hour com os amigos. Sempre surge o assunto sobre o Coaching, como se essa ferramenta deixasse alguém poderoso e rico. É claro que aquela instituição de ensino que cobra alguns mil reais pela formação está com um bom dinheiro no bolso. Mas não é o caso do profissional que trabalha com isso, chamado de Coach. O Coach deve focar na meta a ser atingida pelo seu cliente e não no dinheiro que ele vai receber. Se o Coach focar no dinheiro, ele não vai atender seu cliente com eficiência, porque a meta dele é ganhar dinheiro e não auxiliar o seu cliente, a desenvolver competências necessárias para alcançar seus objetivos pessoais e profissionais. Um excelente exemplo disso são aqueles Coaches que cobram as sessões por pacotes. Você paga R$5.000 por um pacote com 10 sessões de coaching. E ai eu pergunto: se o cliente (o coachee) atingir seus objetivos em menos sessões, o Coach devolve o dinheiro que já foi recebido? Outra coisa que penso também, se o cliente faz coaching por pacote ele fica preguiçoso e não sente valor em cada sessão, porque já pagou. Outro ponto é que dependendo da ética do Coach, ele pode empurrar as sessões até completar o número vendido por pacote. Logo, como toda experiência que eu tenho, na minha opinião isso não é Coaching!

Eh como o Coaching entrou na minha vida?…O Coaching entrou em 2009, quando uma empresa pagou um Coach profissional para evoluir minhas competências e eu me tornar líder. Semana a semana trabalhavamos juntos com exercícios, perguntas, reflexões, até eu ter sucesso na décima sessão e terminar. Fiquei tão maravilhada de como um profissional pode auxiliar o outro, que fiz a Formação em Coaching em 2012 e de lá pra cá não deixei de trabalhar 1 mês se quer como Coach. O coaching representa uns 20% a 30% da minha renda mensal, porque o restante vem do meu trabalho de consultoria, facilitações e treinamentos que realizo nas empresas… E ai você vai me perguntar, como já me perguntaram muitas vezes: “Por que você não larga isso ai? Já que não é pra ganhar dinheiro? Ficar ouvindo as pessoas, que saco”!… Eh a minha resposta é sempre a mesma… “Quando faço sessões de Coaching com os clientes, não só ouço, aconselho, oriento …. A cada sessão que realizo tenho a oportunidade de me melhorar como pessoa e profissional. Eu também evoluo de forma espelhada”. Muito das coisas que falamos para os Coachees fazerem, não fizemos ou não tivemos oportunidade de fazer, ou esquecemos mesmo sendo Coach. Portanto, é um aprendizado constante ser Coach e trocar experiências com outras pessoas é muito mais valioso do que o tal dinheiro. Dinheiro é o resultado do seu trabalho! Trabalhe bem que ele vem 😉

Resumindo o objetivo do post, o sucesso de um Coach não é medido pela quantidade de dinheiro que ele ganha. É medido pelo número de Coachees (clientes) que conseguem alcançar seus objetivos, com satisfação e felicidade. Um bom Coaching trata a causa raiz do problema para que ele não volte a acontecer. E mesmo que volte em algum dia, o Coachee lembrará o que fez e como superou esse cenário. A base do Coaching sempre será a mesma. E os desdobramentos do Coaching que vemos no mercado (lige coaching, lider coaching, executivo coaching) são apenas formas de vender um produto para cada área de negócio. O que vai fazer uma grande diferença é a experiência do profissional que vai conduzir as suas sessões.

Logo, o que posso te passar como conselho é que Coaching é terapêutico, mas não é terapia, ele termina em até 3 meses; seu Coach é um “personal” que te acompanha semanalmente até você bater suas metas; seu Coach passa exercícios, questiona, traz boas reflexões, confronta pensamentos, sentimentos e ações. Um bom Coach inspira, motiva, te dar coragem, te auxilia, faz você andar por caminhos que ainda não tinha andado. Um bom Coach ouve o que você tem pra falar, enxuga suas lágrimas e sorrir com você.

O mundo está cheio de pessoas desesperadas tentando vender qualquer coisa bonita, que traga resultados milagrosos, num tempo curto por uma grande quantia. Tenha cuidado na hora de procurar por esses tipos de serviços. Qualquer serviço direcionado ao seu desenvolvimento pessoal, que vai mexer com sua mente e coração, necessita de zelo, atenção e confiança para poder ser tratado. Pense que você não está “gastando” dinheiro. Você está “investindo” no seu crescimento e evolução. Ame-se antes de tudo!

Se quiser ler mais sobre Coaching, seguem vários artigos. Basta clicar!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: